O poeta do hediondo

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (Cruz do Espírito Santo, 20 de abril de 1884 — Leopoldina, 12 de novembro de 1914) foi um poeta brasileiro, identificado muitas vezes como simbolista ou parnasiano. Todavia, muitos críticos, como o poeta Ferreira Gullar, preferem identificá-lo como pré-modernista, pois encontramos características nitidamente expressionistas em seus poemas.

É conhecido como um dos poetas mais críticos do seu tempo, e até hoje sua obra é admirada tanto por leigos como por críticos literários. Sua poesia chocou a muitos, principalmente aos poetas parnasianos, mas hoje é um dos poetas brasileiros que mais foram reeditados. Sua popularidade se deveu principalmente ao sucesso entre as camadas populares brasileiras e à divulgação feita pelos modernistas. Hoje diversas editoras brasileiras publicam edições de Eu e Outras Poesias.


Voz: Othon Bastos. 

“O poeta do hediondo

Sofro aceleradíssimas pancadas
No coração. Ataca-me a existência
A mortificadora coalescência
Das desgraças humanas congregadas!

Em alucinatórias cavalgadas,
Eu sinto, então, sondando-me a consciência
A ultra-inquisitorial clarividência
De todas as neuronas acordadas!

Quanto me dói no cérebro esta sonda!
Ah! Certamente eu sou a mais hedionda
Generalização do Desconforto…

Eu sou aquele que ficou sozinho
Cantando sobre os ossos do caminho
A poesia de tudo quanto é morto!”

Anúncios

Dilermando Cruz, jornalista e escritor

Nasceu em Leopoldina, no dia 15 de setembro de 1879, o poeta Dilermando Martins da Costa Cruz, um dos fundadores da Academia Mineira de Letras. Faleceu em Juiz de Fora aos 30 de dezembro de 1935. É patrono da Cadeira nº 15 da Academia Leopoldinense de Letras e Artes. Leia mais…

Sarau Literário dia 17 de setembro

Numa promoção da Prefeitura Municipal de Leopoldina e da Secretaria Municipal de Cultura, o Museu Espaço dos Anjos abre suas portas no próximo sábado para mais um Sarau Literário organizado pela Academia Leopoldinense de Letras e Artes.